Quem sou eu

Minha foto
Maracaju, Mato Grosso do Sul, Brazil
Professora de Artes na Rede Estadual - Escola Pe Constantino de Monte

Morre a árvore, nasce a arte

Morre a árvore, nasce a arte
Escultura de Elmar Medeiros em Maracaju

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Arte no Renascimento

"O nascimento de Vênus" de Sandro Botticelli.

A pintura mostra a Vênus surgindo nua de uma concha sobre as espumas do mar. Embora desnuda, a deusa não sugere erotismo algum, ao contrário, passa-nos uma extrema pureza. Ela se encontra dentro de uma enorme concha que é impelida para a praia. Vênus foi concebida quando o titã Crono castrou o próprio pai, o deus Urano; os genitais cortados caíram no mar e o fertilizaram.

Zéfiro, vento primaveril do oeste filho da Aurora, sopra na direção da deusa, acompanhado pela  ninfa Clóris, que foi raptada pelo apaixonado Zéfiro. Ao se tornar sua noiva, ela se transformou em deusa. Ambos exalam o hálito que leva Vênus para a terra firme. À volta deles, chovem rosas, que, segundo lenda, surgiram no nascimento da deusa. Cada rosa tem um coração dourado.

A ninfa da direita é Flora, uma das três Horas, as deusas gregas das estações que acompanhavam Vênus, e lhe entrega um manto púrpura. Tanto o seu traje suntuoso quanto a linda capa que ela estende para Vênus são bordados com margaridas vermelhas e brancas, prímulas amarelas e centáureas azuis. Traz no pescoço uma guirlanda de murta, todas flores primaveris.
As árvores são parte de um laranjal em flor. As folhas verde-escuras e os troncos são realçados com linhas douradas e cada uma das pequenas florescências brancas também recebeu toques e contornos dourados.

A obra foi produzida em 1483 por encomenda de Lorenzo di Pierfrancesco, um político e banqueiro italiano que queria enfeitar sua residência. Ao contrário das obras de Leonardo da Vinci  e Rafael Sanzio, a anatomia de O Nascimento de Vênus não apresenta o realismo clássico. Nota-se que o pescoço da deusa é mais longo e seu ombro esquerdo tem uma representação anatômica incorreta, porém o fato foi considerado influência do Maneirismo. É uma têmpera sobre tela que mede 172,5x278,5 cm.

A figura delgada tem a mão direita cobrindo um dos seios, enquanto a esquerda cobre-lhe a virilha, usando as pontas de seus longos cabelos ruivos, gesto comum às pessoas pudentes. Foi uma pintura revolucionária para o seu tempo, por se tratar da primeira obra de grande porte renascentista a tratar um tema laico e mitológico, abrindo mão dos temas sacros.



Desafio
Monte o quebra-cabeça da tela 

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

domingo, 29 de setembro de 2013

Cultura e Folclore de Mato Grosso - Siriri

O Mato Grosso possui uma cultura rica em tradições, que vêm sendo mantida por grupos folclóricos de dança, acompanhados por animados tocadores de instrumentos fabricados de maneira artesanal: A viola de cocho,  mochos e ganzás. O Siriri é dançado na região sul de Cuiabá há mais de 200 anos e reflete o multiculturalismo brasileiro formado por índios, negros, portugueses e espanhóis.
Neste vídeo, o governo municipal de Cuiabá nos convida para conhecer de perto o festival de Siriri, uma  linda festa!







 
O que significa Siriri? Tipo de formigão com asas que andam rodeando... “Cupins de asa que fazem um movimento coreográfico parecido com o folguedo." 




Flor Ribeirinha é um desses grupos folclóricos. Nasceu na Comunidade São Gonçalo Beira Rio há mais de 20 anos, e nestes vídeos apresenta lindas coreografias. O movimento das saias das dançarinas só não encanta mais que a animação de cada um dos alegres bailarinos.Clique nos links abaixo para assistir.

video











 Viola de cocho







Viola de cocho feita pela Profª Gizely na técnica do empapelamento






Logos dos festivais de Cururu e Siriri.



Bandeira do Mato Grosso


domingo, 4 de novembro de 2012

Henri Matisse

"Você fala a língua das cores" 
Renoir

"A cor não nos foi dada para imitar a natureza..."
 Matisse

"É um erro imitar o que se quer criar" 
Georges Braque

"Você nasceu para simplificar a pintura" 
Gustave Moureau - Professor de Matisse


Pinturas - Quadros agradáveis

 

Henri Matisse viveu em tempos difíceis, greves incontáveis, revoltas, assassinatos, e duas guerras mundiais explodiram à sua volta, porém seus quadros ignoravam todas essas controvérsias políticas e sociais. Formado em direito para agradar o pai, iniciou-se na pintura tardiamente, quando se recuperava de uma cirurgia sua mãe lhe deu uma caixa de tintas e um livro de instruções, então o mundo perdeu um advogado e ganhou um artista...
Ganhou notoriedade como líder do Fauvismo em 1905. Não era religioso, sua visão da vida após a morte era de um estúdio celestial, "onde eu pintaria afrescos", entretanto, tinha um sentimento religioso diante da vida.
Fonte: Carol Strickland






A dança


Duas meninas em amarelo e vermelho, 1947


Interior vermelho, 1947


Interior com beringelas


Interior em amarelo e azul


A lição de música


Abajour em fundo preto


Meu quarto em Beau Rivage


Música


Matureza morta com magnólia


Natureza morta com peixes vermelhos


Natureza morte com magnólia, 1941



O sono


Os peixes dourados


Nú rosa


Retrato de Madame Matisse


Interior em azul


A menina com olhos verdes


A alegria da vida, 1905


Mulher em um casaco roxo, 1937



Michaela, 1943


Dançarina em azul




Recortes - formas filtradas até sua essência

Em seus últimos anos. Matisse ficou preso ao leito. Apesar de tomado pela artrite, recortava formas imaginárias em papel colorido para compor colagens. As formas coloridas cobriam as paredes e o teto de seu quarto: “Agora que quase não me levanto, fiz um pequeno jardim para passear”. As cores eram tão vívidas que seu médico o aconselhou a usar óculos escuros para trabalhar...   
Sua busca de uma vida inteira foi a simplificação da forma, reduzindo-a a um signo irredutível, foi o clímax de sua arte.

Sobre o Painel Piscina de Henri Matisse.


Este mural de recortes com 54 metros foi feito por Henri Matisse quando já estava restrito à cama e à cadeira de rodas, para decorar sua sala de jantar no Hotel Regina em Nice. Ele, que sempre adorou o mar, impossibilitado, trouxe-o para junto de si. Dissolvendo as formas de banhistas, plantas e animais aquáticos em azul, num fundo creme e marrom, manifestou seu desejo, de toda uma carreira artística, de criar um ambiente idealizado.

“Trabalhei anos para que as pessoas dissessem: ‘Parece tão fácil fazer!’.”
 Henri Matisse



Fonte: Carol Strickland



Painel A Piscina I

Painel A Piscina II

Painel a Piscina III

Painel A Piscina IV
A tristeza do rei

Apollo


Véspera de Natal

Dançarino, 1954


Jenela azul



Funeral do Pierrot

O funeral do Pierrot


Os bichos do mar



O cavalo, a amazona e o palhaço

O circo

O céu da Oceania

Palhaço

Polynésia

Ramo de folhas


Flores de neve

O cavalo do palhaço



Tobogã