Quem sou eu

Minha foto
Maracaju, Mato Grosso do Sul, Brazil
Professora de Artes na Rede Estadual - Escola Pe Constantino de Monte

Morre a árvore, nasce a arte

Morre a árvore, nasce a arte
Escultura de Elmar Medeiros em Maracaju

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Arte Medieval - Mil anos de História da Arte

Um exemplo de Arquitetura Românica em Portugal


Igreja do Paço do Sousa em Portugal


          O Mosteiro Beneditino de Paço do Sousa situa-se no conselho de Penafiel, no norte de Portugal.  É classificado como monumento nacional e integra o percurso turístico-cultural da Rota do Românico do Vale do Sousa.

          Fundado em 962 pelo cavaleiro godo Trutesindo Galindes, e reconstruído em meados do século XIII, está num estilo de transição do românico para o gótico, é uma igreja românica de três naves, e seu interior possue algumas características góticas.  O conjunto sofreu alterações nos séculos XI e XIII, com a ampliação da Igreja, e posteriormente nos séculos XVIII e XX.
          Na fachada da Igreja apresenta-se o belo portal gótico com cinco arquivoltas e uma célebre rosácea. No interior encontra-se o túmulo de Egas Moniz, preceptor de D. Afonso Henriques , primeiro rei de Portugal, contendo no interior uma pequena caixa de cobre com as cinzas fúnebres.
          Encontram-se ainda alguns elementos do templo pré-românico reaproveitados na igreja e espalhados pelo claustro, nomeadamente fragmentos de frisos, impostas e colunelos com decoração vegetalista.
          Um grande incêndio deflagrou em 1927, procedendo-se então a já referidas obras de restauro, que retiraram muitos dos elementos Renascentistas e Barrocos de anteriores reconstruções e restauros. Vale a pena conhecer um dos maiores legados Românicos do Norte de Portugal, inserido num local de grande beleza natural.

Vamos até lá agora! Clique aqui e faça um tur virtual por várias igrejas românicas!

Fonte: Guia da Cidade.pt






Vitrais Góticos


Na Baixa Idade Média, a expansão do comércio europeu possibilitou inovações estéticas. As igrejas, grande reduto de pessoas e domínio do poder clerical, foram beneficiadas com novas técnicas de construção que marcam o surgimento do estilo Gótico. Eram bastante ricas e detalhadas, demonstrando esse progresso técnico e material.

Um dos marcantes elementos decorativos dessas igrejas são os vitrais, imensas e coloridas janelas com desenhos geométricos, santos ou passagens bíblicas. Permitiam um vibrante jogo de luzes a partir de  vidro de variadas cores.

O artesão coloria o vidro cru misturando substâncias químicas dando a tonalidade,  o vidro aquecido era moldado soprando na ponta de um tubo formando uma bolha modelável ganhando a forma de cilindro, com um corte o vidro virava uma placa. Resfriada e recortada com a ponta de um diamante tomava o formato que devia ter na imagem.
Eram feitas algumas pinturas opacas, e finalmente as pequenas placas eram encaixadas em uma estrutura metálica. Unidas, as placas formavam a grande composição, sendo encaixadas nas aberturas das catedrais.

O requinte, a complexidade e os vários materiais que envolviam a fabricação de um vitral gótico nos mostram a consolidação de um novo ideal estético marcado pela luminosidade e a variação de tons, e ao iluminarem as igrejas, também reafirmavam um novo período da história medieval.

Fonte : Brasil Escola